19 de dezembro de 2010

meu nome é DOIS-MIL-E-DEZ



2010, fim do ano
Venha um novo
Capítulo seguinte
Da história contínua

O tempo
Sem início ou fim
É comemorado
Com fogos de artifício
Taças transbordantes

Visto branco
Visto azul
Não importa a cor
Desejo o novo tempo
Aquele onde mora a esperança
De dias justos
De amor e alegria
E enfim paz

Imaginação do homem
Rito de passagem
Apenas necessário
Sempre libertador
Certamente consolador

No tempo
É apenas nele que preciso estar
2011, o ano novo de novo

12 de dezembro de 2010

meu nome é SENOR ABRAVANEL

Esse microfone é lendário. Cresci achando que ele era normal.

Ou seja, Silvio Santos, aniversariante de hoje. Aos 80 anos, Silvio é um dinossauro na televisão brasileira, em tempo de exposição e imagem sólida na inconstante mídia que reinventa a cada período seus ícones.

A Folha fez uma reportagem bem divertida sobre Sílvio, com oitenta curiosidades sobre sua vida. Um grande círculo remete a brincadeira de palco que fazia (faz ainda?) no "Qual é a Música" (ainda existe?). A primeira referência me deu vontade de correr pra esse espaço. Vejam só que riqueza:

1. o nome Abravanel foi homenagem a Dom Isaac Abravanel, que salvou Portugal da falência no século XIV - será que o homônimo pensa em fazer o mesmo com nosso Brasil varonil?

2. O melhor do nome vem na explicação seguinte: como no Brasil não era usual o "Dom", substituiu-se por "Senor" que quer dizer senhor.

3. A mãe não gostava de chamá-lo de Senor e inventou o Silvio. Num concurso na rádio, apresentou-se como Silvio Santos, pois santos ajudam.

Genial! Se todas as estrelas escolhem seus nomes artísticos assim, não pararia de escrever sobre isso nunca! É história de gente e eu adoro isso.

Divirtam-se:
http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/843332-conheca-80-curiosidades-sobre-silvio-santos-que-aniversaria-hoje.shtml

10 de dezembro de 2010

meu nome é PARDAL


Brasileiro é como o Prof. Pardal quando se trata de inventar nomes. Cria, mescla, importa, faz jogo com consoantes e vogais, transforma e tchanram! Eis a obra criativa mais perfeita para batizar o rebento.
Inspirada pelo personagem, não criei, mas garimpei aqui por onde vivo alguns nomes para novos papais e novas mamães consultarem a vontade:
Adeive
Alterives
Elaneide
Emiliane
Estanislau
Euclédia
Euflásio
Euzélia
Flaviele
Gedemárcio
Gildarth
Irisson
Jimicarlos
Laudeir
Lindojohnson
Midian
Slobert
Valvênia
Wanklesbes
Zuziane

8 de dezembro de 2010

meu nome é GRACINHA

O que seria das cigarras sem as formigas e vice-versa?

Depois de uma semana em auditoria e reuniões tensas, chegou a sexta-feira e junto um desejo de ser irresponsavelmente feliz. Mas como fazer isso virar realidade se ainda resta um dia inteiro de trabalho pela frente? Saí da penúltima reunião do dia rezando para não morrer antes do carnaval 2011. É no carnaval que, há 39 anos, liberto meus monstros e pauto minha vida emocional. Isso é tão bom que ano após ano falo para mim mesma que a idade chegou, pedindo para parar de bobagem e aproveitar o dinheiro gasto em blocos e camarotes, investir em viagens internacionais, mas não me "autoconvenço".
Entrei na sala cantarolando uma música antiga de Ricardo Chaves: "acabou o o o ou, acabou". Ninguém entra no clima porque a preferência da turma é sertanejão. Tudo bem, vou para a copa buscar solidariedade. Encontro D. Gracinha e Nilzinha organizando o espaço naquele ritmo formiguinha próprio das pessoas que trabalham com limpeza: calem-se as cigarras por que as formigas precisam trabalhar! Abortei a ideia de cantar em voz alta. Só que a felicidade queria se manifestar, aí confessei para elas que não quero morrer antes do carnaval, respondido de imediato pelas duas com um "credo, Ariana". Passo seguinte: interagir para conseguir sorrizinhos das sérias formiguinhas.
Eu: Ah, vou sentir muita falta do carnaval quando morrer. E vocês, do que setirão falta?
Dona Gracinha: Ave Maria! Vou sentir falta de meus filhos!
Eu: Não é de pessoa que estou falando, D. Gracinha, é de coisas, lugares, cheiros, gostos.
Dona Gracinha: Entendi. Acho que vou sentir falta do mundo, de abrir os olhos, ver o dia iluminado.
Precisavam ter visto a carinha dela falando isso, com a maior saudade do mundo, como se já estivesse a beira do desencarne. Aí entro eu com outra variável: quero ser recebida no céu por minha cachorrinha! - Dona Gracinha fez aquela cara de "ô Ariana bobinha" e me contou uma história linda. Quando era criança a mãe dela dizia que quando a gente morre é recebidos na primeira parada por diversos animais. A sede é grande, por isso os cães trazem água no coco na cabeça. Se a gente foi bonzinho com eles na terra, recebemos água limpinha; se maltratamos os bichinhos, eles trazem água cheia de terra (pronto, minha totó deve trazer suco de morango para mim e eu vou tenho que levar chimango pra ela - ainda estou pensando como fazer isso).
Enfim, Dona Gracinha é uma gracinha de pessoa. Adoro conversar com ela simplesmente por ser simples e intenso. Viva as formigas!

2 de dezembro de 2010

meu nome é VIMERSON


Ganha um doce quem adivinhar quem é Vimerson. Dou-lhe uma, dou-lhe duas, dou-lhe três. E aí? Nada? Gente, esse cara lindão é simplesmente o Tob do Balão Mágico! Aquele cabeçudo que fez o maior sucesso na década de 1980 junto com Simony (é a da Playboy e dos escândalos) e o Mike (filho do cara que assaltou o trem pagador, o Ronald Biggs). Lembraram? Não???? Como assim não?! Vimerson cantava no grupo que fez a trilha sonora de minha infância. Enquanto eles voavam no Balão Mágico, eu de cá voava na imaginação e nos meus cadernos de desenho. Bons tempos ser criança naquela época. Hoje, pergunte a meu sobrinho qual a música favorita dele e vai ganhar uma resposta assustadora: Reboleixuxu!