26 de fevereiro de 2012

meu nome é LEREBY

Aproveitando a premiação do Oscar esta semana, como não assisti a nenhum filme indicado, como o cinema mais próximo fica há 120km de distância de onde moro atualmente e como não tenho habilidade de baixar lançamentos da internet, deixo a dica do site da "Lereby Produções", nome lindo para uma empresa de arte. Sonoro e criativo. Amei!

Lereby, lereby, lereby, lereby....

22 de fevereiro de 2012

meu nome é PHIL COLLINS


Entendi, enquanto houver liberdade no mundo para escolha de nomes, eu vou ter que continuar com este bloguinho ativo. Sim, é fácil aceitar ser apresentada para Nelson, mas não para Phil Collins, mesmo com várias cervejas na cabeça a primeira coisa que faço é pensar em escrever, desejar um teclado na minha frente.
O diálogo foi mais ou menos assim:
- Meu amigo quer lhe conhecer...
- É?
- É...
- Tudo bem...
- Vem cá, Phil Collins!
- Como é?
- Oi!
- Oi...
- Sou eu, Phil Collins!
- Tá e eu sou a Whitney Houston
- Tá pensando que é brincadeira?
- ...
- Juro!
- É verdade, o pai dele amava Phil Collins! (o amigo)
- Fala sério!
- Tô dizendo! Meu nome é esse mesmo!
- Com "F", só pode...
- Não! Com "PH"!
- Aonde... (Pensando: meleca, vou esquecer essa informação, quero uma caneta! porque dão tanto copo de brinde e nunca uma caneta?)


A semelhança física era um inacreditável nada a ver...

12 de fevereiro de 2012

meu nome é TRADIÇÃO

O melhor carnaval do meu mundo é o de Salvador! Bateu conflito nesse domingo de calor intenso e resolvi escrever sobre TRADIÇÃO.

Todo mundo tem uma tradição na vida, uns são o almoço da Páscoa, outros o jantar no Natal, o encontro de família na Semana Santa, a comemoração do aniversário do mais antigo, e por muito tempo não localizei uma só tradição em minha pequena família desagregada - fisicamente falando. Somos agora minha mãe, eu e Sai, cada uma em uma cidade, com suas próprias vidas independentes, mesmo que interligadas, aproveitando um feriado e outro para matar saudades. Enfim, não dá pra ter uma tradição, vivemos de oportunidades.

Não é que eu sofra por não ter uma tradição, mas como já não tenho raiz em um lugar, sempre quis ter algo para me sentir mais "terrena", mais "normal" e hoje veio o insigth: minha tradição é o carnaval em Salvador! Ano após ano, nesses 40 desde que nasci, é o momento do "V Zero". É quando realmente o ano começa, é quando libero as feras, é quando tiro as máscaras, é quando reencontro amigos, é quando relembro passado, é quando vislumbro futuro. Conheci pessoas definitivas em minha vida no carnaval de Salvador, então elegi essa minha tradição.

Devo ter passado poucos longe 100% das ruas sotero. Um em Maceió, um em Conquista, fui para o Rio em dois, mas esses não contam pois aproveitei pelo menos um dia em minha terra. Tenho lembranças das mais diversas, de murro no olho, beijo forçado, cicatriz na perna por tirar pontos da cirurgia antes do recomendado só pra não perder a festa, bloquinho no jornal, fotos com famosos, paixões fulminantes, churrasquinho de gato e música, a maravilhosa música que arrepia quando escuto, que me faz ter certeza de que meu coração é um timbal, que faz surgir uma raiz afro que minha pele não mostra, tá por dentro, tá intrínseca a quem passou a vida toda achando normal ser rezada por um filho de santo na escadaria da igreja católica vizinha a evangélica.

Aí está o som da minha Bahia, minha Salvador que tanto me encanta, meu resgate e minha tradição. É essa a música que escuto quando passa um trio, mesmo que não seja exatamente essa:

Arrepia quando toca no Carnaval de Salvador


Armandinho, Dodo e Osmar - Chame Gente


Gerônimo - É D'Oxum


Banda Olodum - Protesto do Olodum

Já é carnaval cidade, acorda pra ver!