25 de novembro de 2012

meu nome é BALANÇO 2012

2012, sobrevivemos entre abismos
Fim de novembro, aproximam-se as confraternizações de fim de ano, bate a vontade adiantada do balanço 2012. E olha que ano! Ele foi/está sendo mesmo intenso em muitos sentidos. Não quero falar aqui de dualidades, bom/ruim, triste/feliz. Isso seria resumir um ano de acontecimentos ao preto e branco, sendo que, para mim, ele passou pelo vermelho toque de ira, rosa pink, azul céu, cinza nebuloso, ou seja, toda a criativa palheta de cores dos esmaltes da moda.
Ê aninho... Queria mesmo era gravar aqui um "ê aninho...", arrastando o sotaque baiano. Teve de tudo, até mesmo o que nunca vou escrever neste bloguito, aquelas partes da vida da gente que são só nossas: isso existe apesar das redes sociais...
Bem, conquistei coisas, perdi muito também. Fiz uma lista. Algum dia isso servirá para alguma coisa, só não tenho ideia para quê:

cuidei de meu corpo e espírito
chorei de rir e de ficar com olhos inchados
escrevi muito, relatórios, e-mails, posts
amei "como se amanhã não fosse possível fazer nada"

voltei a usar óculos depois de 14 anos
fiquei emocionada ao ver meu sobrinho aprendendo a ler e escrever com letra "pursiva", falando coisas divertidas, inteligentes e mágicas (algumas compartilhadas aqui)
com uma rede de amigos, ajudamos a dar esperança para duas vidas
fiz novos amigos, alguns com nomes incríveis

apoiei minha irmã e suas escolhas
realizei um sonho de minha mãe
viajei para lugares que sempre sonhei
enfim, entrei em Notre Dame

fiz slackline
avancei no inglês e na conectividade
reencontrei muita gente que gosto
aprendi técnicas que me ajudarão a construir futuros

trabalhei muito, acredito que "o trabalho engrossa o fio da vida"
reanalisei minha vida todos os dias, certa de que sou hoje minhas escolhas
li livros encantadores
assisti filmes que quebraram paradigmas e construíram outros

saboreei arte
vivi música
estive perto de anjos e demônios, sobrevivi
presenciei milagres, reconstruções de lugares e de pessoas

Enfim, um ano para lembrar...

16 de novembro de 2012

meu nome é ESPERA


Tão distraída que andava, sempre tão distraída, que não percebeu o menino com mão no queixo, apoiado no braço da cadeira, piscando lento...

Tão inquieta sempre, inquieta e ansiosa, não percebeu o olhar admirado do rapaz encostado no carro...

Tão ocupada, vivia sempre tão ocupada, não percebeu como a olhava o cara por cima dos óculos...

Tão ansiosa, respirando sem ar, não percebeu quem estava sentado do outro lado da mesa...

Tão longe, tão perto...

(Para minhas amigas, tão eu...)


11 de novembro de 2012

*JV e as perguntas

- Mamãe, o que é "pau"?
- ..."tal"?...
- "Pau"!
- ... "pau"... com P de pato ou com T de tatu?...
- "Pau" com P de pato.
- ... é... "pau"... é... um tipo de madeira... algo assim...
- Ah...
- ...hum... por que, meu filho?
- Nada não, eu tava pensando aqui.
- ... é... onde... hã... você... hum... ouviu... isso?...
- Tava pensando em uma música.
- ... sei... que.. hã... música... hum... é... hã... essa?
- "Atirei o pau no gato to to".
- Ufa!

7 de novembro de 2012

meu nome é BLACK OBAMA

Gosto da escrita visceral! Gosto quando os textos são produzidos enquanto a emoção está presente. Gosto de exclamações! Entrego-me às frases clichês e eis-me completamente entregue: Obama venceu.
Não, eu não sou a pessoa mais entendida em política mundial. Não, eu não acompanho a Bolsa de Valores. Não, eu não pretendo passar as próximas férias nos EUA. Amo mesmo o contraste. Obama na Casa Branca, para mim é um contraste ideológico. A terra que inventou o Ku Klux Klan re-elege um homem negro, com família negra, com raiz negra, que não levanta a bandeira da supremacia, que está atuando lentamente no país da velocidade. Agora vou ler com mais prazer a grande biografia dele que está na minha cabeceira. Pela primeira vez na vida tenho vontade de balançar uma bandeirinha americana....

"Four more years" - Barack Hussein Obama by Twitter
Referência interessante para nosso bloguito: "o nome inteiro de Obama é baseado em mitologia islâmica. Barack Hussein Obama quer dizer [Alá está abençoando] [o neto de Maomé] [Um dos melhores guerreiros de Maomé]."

4 de novembro de 2012

meu nome é CINQUENTA TONS DE CINZA

- Você leu a parte que ela disse que não sente cólica???

O que um fim de semana prolongado não faz por uma cabeça cansada. Muito bom! Foram três dias entre livros, plantas, estudo e cozinha, só que sem pressão. Até o coelhinho percebeu que estava na boa, cochilando ora de barriga para cima, ora de barriga para baixo, uma coisa linda de ver!
Elegi um livro água com açúcar para não puxar nenhum tipo de autoanálise: Cinquenta Tons de Cinza, o best seller do momento. Na verdade ele pede água com açúcar depois de alguns capítulos, descrevendo como a Anastasia Steele e Christian Grey utilizam um arsenal sadomasoquista para sentir prazer. O título original é mais charmoso "Fifty Shades of Grey", eu acho, apesar de já ter lido que a tradução e a versão em inglês usam uma linguagem muito parecida, sem novidades.
Pra dizer a verdade - e sem querer ofender os leitores curiosos - o livro é massante. Chega determinado momento que a gente quer saber logo no que vai dar tudo aquilo, os grampos, as algemas, as surras, muito tesão e pouca conexão. E a autora conseguiu escrever uma trilogia! Tenha dó.
Como manual de instruções talvez ele fosse mais interessante, tenho até um título no estilo Revista Nova: "Cinquenta formas de esquentar sua relação". Eu compraria. Tem coisas ali que nunca tinha ouvido falar mesmo, confesso sem pudor. Mas um livro para ser chamado de livro para mim tem que ser bem escrito ou propor uma ruptura. Além do hímen da Srta. Steele esse livro não rompeu com nada. As antigas brochuras Júlia, Sabrina e Bianca, vendidas nas bancas de revista, já apresentavam isso desde mil novecentos e bolinha.
Enfim, me senti uma retrógrada enquanto escrevia esse texto. Imagino quantas pessoas nascidas depois da minha adolescência não estão vibrando com esse livro, com todas as possibilidades do mundo para experimentar. Sou mesmo uma tola. Isso é ruptura para alguém, em algum lugar, apenas não é para mim.
Não me livrei de tomar uns cinco banhos hoje, mas não consigo culpar apenas o livro. O calor estava imenso, o dia abafado e as lembranças começaram a vagar por minha cabeça de vento. Mal-criada que às vezes sou, digo logo que não adianta que não vou narrar aqui o que só diz respeito a mim, mas posso fechar o texto com um cometário incrível de uma amiga.
Conversando sobre o livro, sobre histórias que já se passaram, ela me diz que já que está sozinha, não tem olhado muito para o corpo, descobrindo a pouco tempo o quanto seu umbigo estava sujo. Essa foi a conta para rir durante todo o dia, pensando quantos umbigos andam sujos pelo mundo afora, esperando um estímulo para serem apreciados e higienizados com prazer.

2 de novembro de 2012

meu nome é DO OUTRO

Queria poder...



Podia ter sido escrito por mim...


Sou de onde o vento me levar
Nos quatro cantos do mundo
Sempre vou estar

Talvez um dia eu possa parar
e em algum canto
me estabilizar

Mas gosto de voar
no mundo da lua sempre vou morar
minha mente não pode parar
tenho a imaginação além da realidade

Que vaga no mundo dos sonhos
Em busca da felicidade.

Sonhar é meu destino e minha razão
Fonte de minha realidade e de minha ilusão
sou feliz assim
quem poderá me julgar.
(Poema as Bruxas)